Blog da UnP
Empreendedorismo

Qual é a importância do Empreendedorismo feminino?

Mulheres empreendedoras demonstram que há muito a se comemorar e a se conquistar

Dia 19 de Novembro é o dia do Empreendedorismo Feminino. E por falar nesse assunto, você já parou para pensar sobre o papel social da mulher no mundo e todo o caminho em direção às conquistas de hoje? As mulheres são o que são, por que querem ou porque a sociedade pede para serem?

Nesse sentido, vale uma reflexão. Desde pequenas as mulheres são submetidas a uma série de regras. Elas são educadas dentro de um padrão de como portar, vestir, falar e tudo parece já estar determinado, definido.

No entanto, essa ideia de “mulher perfeita” vem da Antiguidade, época em que as mulheres eram educadas para exercer o papel de esposa, mãe e dona de casa. Assim, eram desvalorizadas socialmente e profissionalmente. Muitas vezes, vivendo nas sombras dos homens.

Vale conhecer alguns marcos dos Direitos das Mulheres

  • 1916 – 1962 – A mulher só poderia trabalhar fora de casa com autorização do marido;
  • 1932 – A mulher conquistou o direito de votar;
  • 1977 – Até esse ano, as mulheres podiam apenas ter um marido para a vida. Mas, conseguiram a Lei do Divórcio;
  • 1985 – Criação do Conselho Nacional do Direito da Mulher (antes, eram invisibilizadas pela sociedade);
  • 2006 – Lei Maria da Penha contra a violência doméstica.

Nesse sentido, podemos perceber que o homem e a mulher desempenharam papeis sociais diferentes ao longo da história. Mesmo enfraquecida, essa teoria ainda reflete na sociedade atualmente.

Como exemplo, podemos usar os dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) no Ministério da Saúde. De acordo com eles, uma mulher é agredida por um homem, a cada quatro minutos no Brasil.

Por este motivo, muitas mulheres lutam pela equidade de gênero, ao lado do feminismo. Entende-se por equidade, a disposição de reconhecer imparcialmente o direito de cada um. Diferentemente da igualdade, que preza pela equivalência de ações para todas as pessoas e situações.

Sendo assim, a equidade promove justiça social diante da análise individual de cada caso. Analisando as pessoas de maneira que todos tenham a oportunidade de possuírem os mesmos direitos, deveres e privilégios.

Diante desse cenário empoderador, as mulheres ganharam visibilidade e espaço no mercado de trabalho. Hoje é bem mais comum ver uma figura feminina em algum cargo importante do que antigamente.

Nesse contexto, muitas mulheres partem para o caminho de abrir o seu próprio negócio, ação, às vezes, considerada como fora do “padrão”. Com isso, elas são capazes de alcançar a autonomia e poder de decisão que as mulheres têm e podem ter.

Empreendedorismo Feminino é necessário

Grande parte da construção mental e moral remonta à infância, ou seja, vem de ensinamentos dos pais e da escola. Com isso, há uma maior dificuldade da sociedade em ter pessoas livres para escolherem o que gostam, sem serem induzidas a algo padronizado e que reflete pensamentos machistas.

Portanto, um ato de empoderamento, como uma mulher abrir sua própria empresa, pode ser visto como um ato de “rebeldia”, anormal. E sim, isso realmente acontece, uma vez que há preconceito instalado em nossa população, devido ao papel social da mulher no passado.

“O empreendedorismo feminino é importante, pois vem para desmistificar a imagem de uma mulher frágil, que seria apenas dona do lar e mostrar a força das mulheres. Que independentemente de serem mães, elas podem ser competentes e dar conta do trabalho e inspirar outras mulheres”, diz Gabriela Melo, 24, ex-aluna de Administração da UnP e Diretora Comercial e de Marketing com sua própria marca, a Matersol.

Nascida em família de empreendedoras, Gabriela teve as mulheres de sua família como exemplo de empoderamento e luta pelos seus sonhos. Sua avó e sua mãe são suas inspirações, principalmente no empreendedorismo. Ela diz que teve sorte de nascer no meio de mulheres tão guerreiras e inspiradoras.

A jornada do empreendedorismo não é fácil e há diversos desafios que aparecem no meio do caminho. Mas, de acordo com Melo, os resultados positivos que são conquistados estão diretamente ligados ao esforço realizado para alcançar resultados com seu trabalho.

Empreendedorismo
Empreendedorismo

Qual é o significado de empreendedorismo?

O significado de empreendedorismo, de acordo com o dicionário, é a “capacidade de projetar novos negócios ou de idealizar transformações inovadoras ou arriscadas em companhias ou empresas”.

Portanto, é a vocação que uma pessoa tem para gerenciar e desenvolver projetos e negócios. “O fato de você amar o que faz, se dedicar e querer fazer aquilo dar certo, te enche de energia e força para enfrentar o que vem pela frente”, completa a ex-aluna de Administração.

Então, dando valor ao empreendedorismo feminino as transformações na sociedade e na economia do país são aparentes. Em 2019, um relatório do Sebrae, mostrou que 16 milhões de mulheres estavam em estágio inicial do seu próprio negócio.

Assim, o empreendedorismo, por si só, já é uma porta para aumentar a renda familiar e gerar empregos. E impulsionar a figura de mulheres no mercado de trabalho, faz com que elas ganhem reconhecimento na vida pessoal e profissional.

O número de 16 milhões de mulheres iniciando seu próprio negócio mostra como a figura feminina luta para driblar o papel social que foi implantado antigamente, em que as mulheres são donas do lar e ponto. Além disso, elas protestam por melhores salários e mais reconhecimento.

Desafios para a mulher empreendedora

“Já vi diferença de gênero sim, muitas vezes por a mulher ser mãe. Ela é vista de forma diferente, como se não pudesse oferecer o seu melhor como um homem faria, por ter as tarefas do lar”, lamenta Gabriela.

Portanto, ainda há muitas melhorias a serem feitas, para que o papel social da mulher seja mudado e que o caminho de uma mulher empreendedora seja mais fácil. Além de todo o preconceito de gênero, uma mulher (principalmente quando envolve filhos ou família), pode ser vista como “mais propensa a falhar”.

Com isso, e para superar essas barreiras, surgem mulheres como a Gabriela, que incentivam e inspiram outras a fazerem o mesmo e lutarem por seus sonhos. Juntas, as mulheres têm o poder de superar as barreiras, para que se sintam cada vez mais seguras e capazes de administrar o seu próprio negócio.

Embora haja um longo caminho pela frente, é importante sempre negociar e prosseguir, articulando de forma ativa e empoderada. “O que mais amo em empreender são os desafios, o sabor de cada conquista. Me superar!”, finaliza Melo.

E você, o que acha de mulheres empreendedoras? Conte pra gente nos comentários!

Leituras que também valem a pena:

Lei Maria da Penha;

Dados sobre a violência contra a mulher;

Por que vale a pena estimular as mulheres no empreendedorismo?

Heloísa Campos

Comentar